Aug 222016
 

No próximo dia 16 de Setembro irá ter lugar o Estabelecimento do Sima no Novo Terreno do Mosteiro, Sumedharama

Stupa

 

 

Esta cerimónia será levada a cabo pelos monges de Sumedharama que estabelecem desta forma a delimitação onde poderão decorrer as cerimónias oficiais,

como será o caso da Primeira ordenação em Portugal, no dia 18 de Setembro. Esta delimitação é feita através de um cântico especifico

que determina os marcos que irão delinear a área do Sima.

Assim, na sexta-feira dia 16 de Setembro, teremos a seguinte sequência de eventos a decorrer no Novo Terreno do Mosteiro:

18h30 – Cerimónia de Estabelecimento do Sima

19h00 – Meditação em Silêncio no Novo Terreno do Mosteiro

19h45 – Palestra de Dhamma proferida por Ajahn Vajiro

Nesta Cerimónia estarão também presentes monges de vários mosteiros europeus como Ajahn Khemanando, Ajahn Candapalo, Ajahn Karuniko, Ajahn Cittakorn, Ajahn Jutindharo, Ajahn Kongrit e Ajahn Nyanadassano.

 

Todos são Bem Vindos a assistir e participar

 

Note-se que por esta Cerimónia estar a decorrer não se irá realizar a Meditação das 19h30 de sexta-feira em Pinhal de Frades.

 

♦◊♦


SIMA

Uma das condições prévias para a existência e continuidade da comunidade budista é haver um limite (Sima), que define o espaço designado para actos eclesiásticos (sangha-kamma) dentro do qual todos os membros da mesma linhagem monástica presentes no local devem se reunir como sangha completo (samagga Sangha). Esta integralidade do Sangha é um pré-requisito para o desempenho válido de cada acto eclesiástico da Comunidade Budista.
Sima, ou marcos de limites budistas como muitas vezes referidos, são essencialmente objetos colocados num determinado padrão ou formação como para demarcar certos tipos de espaço sagrado budista. Estas áreas de espaço sagrado podem ser um mosteiro inteiro, um determinado edifício dentro do mosteiro ou outras áreas religiosas, como uma floresta ou habitação. Hoje em dia são comuns em toda a maioria dos países budistas Theravada do Sudeste Asiático, incluindo Tailândia, Laos, Birmânia e Camboja, com o Sima geralmente erguido em conjuntos de oito ou dezasseis pedras.
A lógica canónica para a criação de uma sima encontra-se no Mahavagga do Vinaya Pitika (Mahavagga II 5. 4-15. 2). Neste texto afirma-se que um sima (limite) deve ser criado para que determinados rituais, como o Patimokkha (recitação das regras) e Upasampada (ordenação) tomem lugar. Este limite deve ser criado por Nimitta (marcos de fronteira). Esta é uma área pequena (khanda-sima) rodeada por uma zona circundante (simantarika) estabelecida para reuniões da comunidade. Isso permite que o Sangha realize ordenações dentro dessa área delimitada.