Feb 062013
 

 

Retiro de Meditação

com Ajahn Vajiro

 

103811-9-45

Nos próximos dias 22, 23 e 24 de Fevereiro terá lugar um Retiro de Meditação, orientado por Ajahn Vajiro, no Mosteiro Budista Theravada – Vihara Lisboa.

O retiro começa na sexta-feira, ao fim do dia, e termina Domingo à tarde. Terá a seguinte estrutura:

Sexta-feira
19:00 Introdução, funcionamento do retiro, preceitos
19:30 Puja vespertino

Sábado
08:30-09:00 Meditação
09:00-09:30 Palestra e espaço para perguntas
09:30-11:00 Meditação (alternando meditação sentada/a andar)
11:00-12:30 Refeição
13:00-15:00 Palestra e espaço para perguntas
15:00-17:00 Meditação (alternando meditação sentada/a andar)
17:00 – Chá

Domingo
08:00-10:00 Meditação (alternando meditação sentada/a andar)
10:00-10:30 Palestra
10:30-11:00 Meditação
11:00-12:30 Refeição
13:00-14:00 Palestra e espaço para perguntas
14:00-16:00 Meditação (alternando meditação sentada/a andar)
16:00 – 16:30 Palestra e espaço para perguntas
16:30 – Chá

 

Note-se de que se trata de um retiro não-residencial, visto o espaço do mosteiro não permitir sítio para pernoitar. Haverá almoço vegetariano no Sábado e no Domingo. Para se inscrever no retiro, contacte por favor José Vaz através do email jose.manuel.vaz@gmail.com. Poderá também existir a possibilidade de combinar boleias entre os participantes, de forma a facilitar as deslocações.

 

 ♦◊♦

 

‘Dá-se o que é apropriado dar consoante a ocasião e as possibilidades; onde e quando o nosso coração sente-se inspirado. Para os monásticos isto significa ensinar, com compaixão, o que deve ser ensinado. Para a comunidade leiga, isto significa dar o que sobeja e que se sente inclinado a partilhar. Não existe preço para os ensinamentos, nem mesmo uma ‘sugestão de doação’. Aquele que vê o acto de ensinar ou o acto de oferecer requisitos, como um pagamento por um favor particular é ridicularizado como alguém que se vende a si próprio. Dá-se porque faz bem ao coração e porque a continuação do Dhamma como um princípio vivo, depende de actos diários de generosidade’.

 Ajahn Ṭhānissaro, from Refuge